Bialowieza Forest

O bisonte europeu que aqui vive, que agora são cerca de 4300 exemplares, foi quase extinto no início do século XX, em 1920 e tal com as invasões dos alemães estes mataram a quase totalidade dos bisontes que viviam na floresta, foi com recurso a espécimes mantidos em Zoo que foi possível reproduzir e devolver o maior mamífero europeu para esta floresta.

 

~

sobre a floresta de Bialowieza

Na reserva  florestal existem terrenos florestais de dois tipos. Na reserva virgem a chamada floresta restrita, o Homem não interfere em nada, existem vedações nas zonas de fácil acesso por terra e dos demais lados a reserva tem barreiras naturais, um rio e a fronteira com a Rússia. Esta zona unicamente é visitável na companhia de um guia e é consideravelmente uma zona mais húmida e com menos cerca de dois graus do que a floresta circundante. O ar a atmosfera é diferente. É sem dúvida um sítio especial com quase nenhuma interferência humana algo quase impensável dado às árvores enormes lá estão.
Depois temos o demais espaço florestal, a floresta não restrita na qual, se continuar avante o plano do ministro do interior da Polónia, serão cortadas as árvores que forem detectadas infestadas com uma certa espécie de escaravelho (que não me lembro como se chama) No entanto esta decisão de cortar estas árvores é considerada contra producente pela comunidade científica. segundo estes as árvores são adagas pelo escaravelho quando estão mais deveria nomeadamente em períodos de seca prolongado, mas o ataque pode ser debelado quase as árvores ficam mais saudáveis nomeadamente aos um período de chuva abundante, pelo que o corte das árvores não evita a propagação do escaravelho, e pode ter consequências no tecido florestal… enfraquecer a floresta. concordo, há também quem defenda que as árvores numa floresta, ou num mato cerrado, etc, desenvolvem relações
2
de entreajuda pelo que o corte de árvores vivas ainda que doente pode agravar o estado das árvores circundantes…. a comunicação entre árvores ao que tudo aponta é feira por sinais químicos, um exemplo parecido será portar que as raízes são o equivalente das dendrites e sinapses e um cérebro. Matando uma árvore estamos a impedir uma parte de mapa de comunicação.
Bom, ainda que a decisão de cortar árvores doentes tenha uma má decisão o propósito de fundo parece ser genuinamente em prol de Ajudar a floresta, e porque digo isto? Todas as árvores que são cortadas são deixadas no solo onde são cortadas, ninguém as vende, possivelmente existe uma lei sobre este tema…. ainda não descobri isto. O que é certo é que existem torros enormes , troncos inteiros ou cortados aos bocados nos locais onde foram cortadas árvores. A primeira reacção ao ver isto foi de tristeza, ter ali a minha frente um tronco a aprodecer parecia me uma cena triste. Mas depois mudei de opinião e cada um dos troncos espalhados pelo chão fazia me sorrir, eu explico porquê.
os troncos deixados a apodrecer no chão são receptaculos passivos de água, e acabam por acumular grandes quantidades de água que em períodos de sarça começam a largar, para o terreno circundante e fazendo assim que as árvores que permanecem vivas mas com sede recebam água, com o decurso dos anos, a madeira da árvore cortada transformasse numa espécie de esponja, fazendo este trabalho de manter o solo húmido ainda mais eficientemente e,

3
prevenindo o começo de incêndios, o fogo não queima madeira alagada. Os troncos deixados a aprodecer cumprem ainda outra muito importante função são o supermercado dos fungos, dado que estes alimentam-se de matéria orgânica em decomposição e por sua vez um bom solo está cheio de fungos.

Advertisements

Os segredos da morcela lilás… 

No interior desta inocente morcela, vegetariana de cor lilás, encontram-se em ameno convívio quase metade do vestuário que levo para esta nova viagem. 

No seu interior está:

Umas calças 

Três tee-shirts

Uns calções 

4 pares de meias

4 cuecas 

E

Umas leggins.

Parece me uma excelente invenção (da minha autoria) para conseguir trazer alguma roupa sem andar a entrar em parafuso por ter receio de ter a mala de cabine demasiado grande.